Arquivos da Categoria: Diagnóstico

Problemas Emocionais e Comorbidades(?)

Em primeiro lugar, o que são Comorbidades ?

É a junção de duas ou mais doenças acontecendo em um mesmo paciente, com uma ligação direta entre esssa doenças. No caso do TDAH, são todas as outras síndromes que surgem em consequência do TDAH.

Quais são eles?

Ansiedade, Transtornos de Humor, Depressão, Transtornos relacionados ao controle de impulsos, de alimentação e outros.

Normalmente o TDAH é mais difícil de ser diagnosticado em adultos, devido aos conflitos entre os roblemas emocionais e as comorbidades que nos acompanham de brinde, além das constantes mudanças desses sintomas do TDAH na fase adulta. E que às vezes podem ser piores que o próprio TDAH.

Com o tempo o paciente com TDAH vai vendo que não tem muita produtividade diante de tanto esforço, se compara com outras pessoas que não fazem tanto esforço e acabam criando a idéia de incapacidade ou qualquer outra características negativa. O que resulta no surgimento de problemas psiquiátricos que interferem na vida social daquela pessoa, que aliado à própria impulsividade, característica do TDAH, acaba fazendo com que ele não tenha uma carreira bem sucedida,  possa se esconder atrás de vícios como àlcool e drogas ou qualquer outra coisa que conforte aquela condição de insatisfação, podendo até chegar a marginalidade.

Bom…eu mesma já passei por muitas dificuldades como já disse aqui no blog, sempre tive ansiedade, vivo tendo tiques nervosos, meus amigos nem estranham mais hsauhsau já virou uma parte de mim. Já tive problemas depressivos, já abusei de àlcool, cigarro e drogas também, isso já é passado. Foi um período muito difícil pra mim e pros meus pais, por que até então eu só achava que meus problemas estavam no âmbito UFMA-Problemas familiares. Quase tranco meu curso, vivo tendo vontade de jogar tudo pra cima, enfim, todas as coisas que uma pessoa com TDAH tem.

Fontes: ABDA, TDAH e Comorbidades

Diagnóstico

Depois de muito pesquisar e mostrar todas essas pesquisas aos meus pais, fomos procurar um especialista. Por sorte encontramos aqui em São Luís, que apesar de ser capital, é a mais pobre, o que dificulta certas coisas (Y).

Na consulta, ela fez algumas perguntas a minha mãe, tipo: se eu tive algum problema no parto, se tinha dificuldade pra estudar quando era menor, se era muito quieta ou muito agitada, coisas que eu não me lembraria =)

Respostas: eu tive problemas no parto sim, se não me engano o cordão umbilical tava me sufocando e provavelmente isso aconteceu durante a gestação também, nasci com pouco peso, 2,5kg; sempre fui muito quieta em sala de aula e minha mãe vivia pegando no meu pé pra estudar hehe coisa que acontece com todo dda.

A doutora explicou que a complicação durante o parto e provavelmente durante a gestação foi a “válvula de escape” pro distúrbio. Que eu eu já teria um precedente genético e esse fato só vez o distúrbio de manifestar.

Daí minha mãe saiu da sala e a doutora me perguntou oq tava me fazendo achar que eu tinha TDA-H.Disse tudo que veio na cabeça, incapacidade de me concentrar nos estudos, nas aulas, que já havia desistido de vários livros e projetos, já tinha reprovado muito na faculdade pq não conseguia me concentrar, numa conversa, por mais que eu me concentra-se e o assunto fosse interessante chegava uma hora q eu me perdia e mais um monte de outras coisas.Daí eu parei de falar e ela continuou, falou muitas outras coisas que aconteciam cmg, sem nem me conhecer, deu exemplos de outros dda’s e eu fui me identificando.Confesso que fiquei com vontade de chorar, pq muitas coisas ruins que já tinham acontecido cmg aconteceram em decorrência de um DDA não tratato, como ela disse.

Minha mãe voltou, e ela deu o diagnóstico de que eu tinha uma dda leve. Por que leve?  Bom, eu consegui passar no vestibular, mesmo q tivesse sido minha mãe quem ficou me perturbando a vida p estudar durante 18 anos da minha vida xD.

O que mais me confortou foi saber que nós somos diferentes, em 2 sentidos:

  1. Somos muito inteligentes, temos o pensamento muito rápido mas não conseguimos expressá-los;
  2. Gostamos de ser diferentes dos outros, pq nos achamos diferentes, mesmo sem saber que temos TDA-H, sabemos que somos diferentes e essa idéia conforta  a gnt, mesmo sem ngm entender nem nos enxergar diferentes.

Ela continuou falando mais um monte de coisas que iam me impressionando cada vez mais por fazer parte da minha vida, do que eu já tinha passado e ainda passo.Disse que o diagnóstico pode ser confundido com outras coisas, como depressão, que me foi diagnosticado anteriormente.Ou seja, não é qualquer pessoa que pode doagnosticar o distúrbio, ele já deve ter estudado muito sobre o assunto, convivido com dda’s, pq assim como a esquizofrenia por exemplo, o TDA-H, só é diagnosticado clinicamente, deve ser levado a sério.

Depois de muito falar, muito ouvir e muito chorar, fui encaminhada pra fazer alguns exames para que pudesse começar a tomar a Ritalina, remédio que faz parte do tratamento e que fizesses psico-terapia tb, já que não me encontrava num estado muito bom shauhasasau.Saí do consultório de alma lavada, MUITO aliviada, e começando a entender muita coisa e a mim mesma.É difícil tu ver todo mundo se dando bem e tu ficando pra trás mas é tão bom quando tu toma conhecimento de que tu é tão capaz quanto esse “todo mundo” ou até melhor =)

Descoberta…

Eu sempre soube que tinha problemas de concentração, que perdia minha atenção nas coisas muito facilmente, mas sempre achei que fosse uma característica minha mesmo, até por que sabia que não era a única que tinha isso. Até então nem prejudicava em nada, digo com relação aos estudos, pois sempre me dei relativamente “bem” até final do ensino médio e posteriormente na faculdade.

Há um tempo atrás eu fiquei sabendo da existência desse distúrbio, li umas coisinhas sobre, mas nada aprofundado e nem dei tanta bola assim.Surgiu a dúvida, mas não fiquei me remoendo.Continuei meus dias e minha concentração foi ficando cada vez mais penosa, não conseguia prestar atenção nas aulas, nem me focar direito numa conversa, tinha que pedir pra pessoa repetir o q tinha falado p poder voltar a acompanhar.Minha memória começou a ficar preocupante, eu não conseguia me lembrar de nada.Tudo bem que tinha fama de perder as coisas, nunca lembrava onde tinha colocado [ shauahushaahahau xD ] mas nada comparado aos ultimos anos.

Foi então que comecei a reprovar as disciplinas da faculdade.A maioria das aulas eu não conseguia prestar atenção, mas quando eu finalmente conseguia me empolgar com alguma disciplina, conseguindo me concentrar em todas as aulas, eu não conseguia me sentar e estudar em casa, ficava inquieta, minha mente não conseguia se focar SÓ naquilo, parecia que todos os assuntos possíveis e imagináveis começaram a invadir meus pensamentos.Como eu via que não não tinha produção, acabava desistindo e reprovava.Não por falta de empenho, mas por falta de estímulo.

Conversei com um amigo sobre minha preocupação, não sabia oq tava acontecendo que não conseguia me concentrar nas coisas, tava começando a ficar desesperada, se eu reprovasse em mais disciplinas meu curso iria por água abaixo.Foi quando sem querer, um amigo de um amigo meu [ vejam a proximidade shauahsau ] revelou ter DDA.Daí, deu aquele estalo em mim: “Será que é isso?”.Voltei a pesquisar sobre o assunto, li de tudo, vi vídeos, fiz um teste “básico” na internet e então tomei coragem pra conversar com meus pais.Pq coragem? Pq ainda existe gnt que tem um pré-conceito com relação ao TDA-H, justamente por falta de informação, inclusive profissionais da área de saúde.

Marcamos consulta com a psiquiatra [ coisas de plano de saúde, poderia ter sido uma psicóloga =) ], pq até então eu tava começando a apresentar sintomas de depressão.Logicamente esse foi o diagnóstico da doutora, mesmo sabendo da minha suspeita de DDA.Ela nem quis saber pq eu tava achando que tinha dda, se deteve mais nos sintomas de depressão, daí me passou um anti-depressivo u_u”.

Amém! Que eu tenho pais como os meus.Não gostaram da idéia de me ver tomando anti-depressivos e insistiram do meu diagnóstico de DDA.Procuramos uma especialista e me foi dignosticado TDA-H ou DDA [ como queiram falar ].

Agora é cuidar de daminha saúde física e mental e ter consciência de que eu preciso confiar em mim.

ps(1).: falo dos detalhes da consulta com a especialista no próximo post;

ps(2).: comecei a escrever o post às: 7:15h eu acho, ou por aí.São 21h.